Como é a relação da sua família com o dinheiro? A resposta para essa questão é mais importante do que parece, já que envolve a realização de sonhos e a tranquilidade na rotina. Então, para melhorar esse relacionamento, vale a pena recorrer ao planejamento financeiro familiar.

Por meio dele, é possível usar o dinheiro de modo mais consciente, sem se esquecer de considerar o futuro. Como consequência, as preocupações com a parte financeira podem ser atenuadas para favorecer a qualidade de vida.

Quer descobrir como fazer um planejamento financeiro familiar completo? Confira 7 dicas para criar o seu!

O que é planejamento financeiro familiar?

O planejamento financeiro familiar consiste em uma estrutura composta pelos ganhos e gastos de toda a família. Ele envolve também os planos para destinar o dinheiro da melhor maneira, em busca de determinados objetivos.

Em uma analogia, o planejamento serve como um mapa que ajuda toda a família a aproveitar melhor os recursos disponíveis. Por isso, é elaborado de modo personalizado, considerando as necessidades de cada núcleo familiar.

Qual é a importância desse planejamento?

Além de saber o que é esse planejamento, vale a pena entender que elaborá-lo pode gerar muitas vantagens. Uma das principais envolve a segurança e a tranquilidade em relação às finanças. Em vez de o dinheiro se tornar um fator complicador, ele pode ajudar a realizar sonhos e concretizar planos.

O planejamento também é uma forma de cuidar melhor do futuro de toda a família. Isso é possível por meio do uso consciente do dinheiro e do aproveitamento de tudo o que os recursos podem oferecer.

7 Dicas de como fazer o planejamento financeiro familiar

Após se convencer da importância do planejamento financeiro familiar, é preciso compreender como elaborá-lo. A tarefa pode ser adaptada para a sua realidade, mas existem etapas que ajudam a chegar a um resultado satisfatório.

A seguir, veja 7 dicas que são essenciais para planejar melhor o uso das finanças familiares!

1. Identifique a situação financeira atual

Faça um diagnóstico financeiro da família. Por meio dele, é possível saber qual é a renda familiar composta, quais são os gastos e onde estão os pontos de atenção. Assim, existe a chance de encontrar dívidas ou oportunidades de utilizar melhor o dinheiro.

2. Elimine as dívidas atuais

A etapa seguinte é regularizar as pendências financeiras. Afinal, para compor um planejamento financeiro robusto, é interessante eliminar as dívidas para ter uma visão mais clara quanto ao uso do dinheiro.

Então, se a família estiver endividada, identifique os valores, entre em contato com os credores e negocie. Assim, será possível criar uma base financeira mais sólida e mais fácil de gerenciar ao longo do tempo.

3. Monte um orçamento familiar

Com todas as contas em dia e com as informações sobre o quanto entra e quanto sai, é o momento de montar um orçamento familiar. Ele serve para distribuir os recursos disponíveis entre as diferentes áreas da vida, considerando as prioridades e necessidades.

Ainda, elaborar um orçamento é especialmente importante para ter visibilidade sobre o uso do dinheiro. Graças a ele, é possível evitar a sensação de gastar o dinheiro sem saber como ou onde.

4. Economize um pouco todo mês

Após montar o orçamento, vale a pena estabelecer uma economia mensal. Ela é fundamental para o planejamento financeiro familiar porque ajuda a criar uma reserva para imprevistos, por exemplo.

A economia mensal também pode ser destinada a investimentos financeiros para a família. Nesse sentido, é importante aportar os recursos em alternativas alinhadas aos objetivos e aos riscos considerados toleráveis. Desse modo, você faz o dinheiro render e ainda constrói patrimônio.

Para conseguir isso, é preciso mudar certos hábitos. Identifique e reduza (ou corte) gastos supérfluos e faça trocas inteligentes para economizar. Além disso, é fundamental que todos mantenham a disciplina para que a economia entregue os resultados esperados.

5. Monte uma planilha de controle financeiro

Embora montar um orçamento seja importante, ele não é o suficiente para o sucesso do planejamento. Também é necessário garantir que o plano seja seguido, com a devida distribuição de recursos — e isso exige acompanhamento. 

Portanto, é interessante dispor de uma planilha para o controle financeiro familiar. Registrar todos os ganhos e os gastos e identificá-los claramente permite verificar se o orçamento tem sido cumprido conforme o esperado. 

A prática ainda ajuda a reconhecer novos gargalos e outras oportunidades para usar melhor o dinheiro. Para complementar, o controle estimula a disciplina porque garante visibilidade sobre as movimentações, favorecendo o uso consciente do dinheiro.

6. Faça adaptações periódicas

Ao construir o planejamento financeiro familiar, é importante entender que essa não é uma ferramenta estática. Com o passar do tempo, é natural que ocorram mudanças nas necessidades e nos interesses da família. Isso se reflete na forma de usar o dinheiro.

Portanto, o ideal é rever o planejamento periodicamente para verificar como otimizá-lo. Montar um orçamento anual e um orçamento mensal, por exemplo, ajuda a considerar demandas específicas em cada momento e os objetivos de diferentes prazos.

7. Tenha um seguro de vida

Ao aplicar todas as dicas anteriores, você terá mais facilidade para organizar o dinheiro e garantir mais saúde financeira. Mas o que acontece quando você não puder mais apoiar a sua família?

Para ser capaz de dar a melhor resposta para essa questão, vale a pena contratar um seguro de vida. Afinal, em caso de falecimento, seus beneficiários receberão o capital segurado, conforme condições do contrato.

Como o seguro não faz parte do inventário, sua liberação é mais rápida e atende à família quando ela mais precisa. Portanto, é um passo que deve fazer parte do planejamento da família com foco no bem-estar de todos, independentemente da situação.

O planejamento financeiro familiar é um elemento essencial para aproveitar o dinheiro da melhor maneira. Além das ferramentas tradicionais, como o orçamento e a planilha, vale recorrer ao seguro de vida. Desse modo, seus beneficiários terão toda a proteção necessária no futuro!