Quem atua como Microempreendedor Individual (MEI) sabe que tem uma responsabilidade maior sobre a organização das próprias contas. A renda costuma ser concentrada em um único valor, ao contrário de quem atua com carteira assinada e recebe parte disso em benefícios como plano de saúde e, talvez, até um seguro de vida.


Porém, sabemos que esse assunto costuma trazer algumas dúvidas. Afinal, é natural se perguntar: “será que eu preciso de um seguro de vida sendo MEI?”. O questionamento é muito comum — e a boa notícia é que as respostas são mais simples do que você imagina.


Criamos este conteúdo especial para mostrar tudo o que você precisa saber sobre o tema de forma simples e objetiva. Para isso, explicaremos em detalhes os benefícios, o funcionamento do seguro de vida e como adotá-lo. Confira!

Quais os benefícios do seguro de vida?

Um primeiro passo importante é entender o objetivo do seguro de vida. A ideia é bem simples: garantir que sua família e outros dependentes não fiquem financeiramente desamparados caso você não esteja mais aqui. 


Assim, se o segurado morre, os beneficiários recebem o valor da cobertura que foi contratada. Em alguns casos, também são oferecidos outros serviços, como a assistência funerária. 


O ponto é que, no caso do MEI — ou mesmo de quem administra um pequeno ou médio negócio (PME) —, o seguro permite oferecer mais tranquilidade para quem se preocupa não só com a sua família, mas também com a sua empresa.


Conforme a legislação brasileira estabelece, o MEI pode contratar até um funcionário, que contará com todos os direitos trabalhistas. Dessa forma, ambas as pessoas podem ser titulares de um seguro de vida, já que a contratação funciona da mesma forma que para qualquer outra empresa. Falaremos disso em mais detalhes a seguir.


Antes, é importante destacar as vantagens que o seguro de vida traz: 

Proteção financeira

Além dos serviços adicionais, a principal utilidade do seguro de vida é justamente garantir a proteção financeira a quem está do seu lado — seja sua família, algum amigo, ou outra pessoa próxima que dependa de você.


Quem tem filhos sabe que deixá-los desamparados simplesmente não é uma possibilidade. Contudo, esse cuidado exige justamente pensar em todos os cenários, inclusive aqueles nos quais não estamos mais por perto.


Se as crianças estão indo para a escola, é importante garantir que elas tenham meios financeiros para continuar tendo uma boa formação. Quando o assunto envolve adolescentes, temos ainda que pensar no Ensino Superior e no futuro como um todo.


Esse auxílio foi fundamental para muita gente terminar a faculdade, por exemplo, ou investir em um negócio e estruturar sua própria carreira. Na prática, é uma forma de continuarmos presentes, apoiando os planos dos nossos entes queridos mesmo que não estejamos mais aqui.

Beneficiários escolhidos por você

Outra vantagem é a possibilidade de selecionar quais e quantos beneficiários você achar necessário. 


Cada um de nós tem sua própria história de vida e algumas amizades são tão fortes quanto laços sanguíneos. Então, se você quer garantir que aquela pessoa amiga seja amparada financeiramente caso você morra, basta incluí-la como beneficiária.

Por que um seguro de vida é importante para a sua empresa?

O seguro de vida para o microempreendedor individual representa uma tranquilidade maior para quem quer começar a organizar melhor suas contas. 


Esse primeiro passo garante o sustento da família e o suporte para reestruturar a vida caso você não esteja mais aqui. Pais, cônjuge, filhos e até amigos próximos: todos podem ser incluídos como beneficiários para terem direito à cobertura. 


No contexto do MEI, o seguro ainda ajuda a aumentar a motivação do funcionário contratado — ou dos funcionários, no caso de pequenas e médias empresas. Afinal, oferecer um seguro de vida é um diferencial importante, que mostra como você se preocupa com o bem-estar dessa pessoa e também dos que convivem com ela fora do trabalho.


É importante afirmar que estamos falando de uma garantia de segurança essencial para certas atividades. Quem oferece serviços para outras empresas sabe que um funcionário que passa muito tempo no trânsito — como um motoboy ou outro motorista — tende a se preocupar com os riscos de acidente.


Assim, o seguro de vida traz um benefício duplo. Além de garantir, de fato, um recurso de emergência para a família do funcionário caso ele morra, o próprio profissional trabalha mais tranquilo e focado, sabendo que está amparado pelo benefício.


Para resumir, estamos falando de uma ferramenta para fortalecer o relacionamento humano na sua empresa. A segurança que você estabelece para o bem-estar da sua família é a mesma que oferece a quem trabalha com você. O resultado é uma motivação valiosa para que, juntos, vocês façam a empresa crescer cada vez mais.

Como funciona?

Explicamos anteriormente a importância do seguro de vida para o MEI, bem como para as pessoas que administram pequenas e médias empresas e que possuem funcionários. Salientamos que existem no mercado várias corretoras e seguradoras que oferecem o seguro de vida; então, lembre-se de comparar as condições.


Agora falaremos sobre algumas informações essenciais para que você possa decidir sobre qual tipo de seguro é mais interessante para você e sua empresa.


Para começar, é importante entender como ele funciona e, em seguida, os tipos de seguro de vida. A questão é simples e não há segredos. Acompanhe!

A contratação

O seguro de vida é a proteção mais indicada para quem tem dependentes financeiros. Caso você venha a falecer, o seguro deve ser acionado para recebimento da cobertura — termo utilizado para se referir ao valor resgatado em qualquer tipo de seguro: de vida, imóveis, veicular, entre outros.


O preço pago mensalmente é calculado com base em alguns dados fornecidos pelo contratante, como idade, sexo e algumas informações básicas de saúde (se é fumante, por exemplo). O tempo necessário para realizar essa cotação varia conforme a empresa que oferece o seguro; em um serviço ágil e totalmente digital, como o da Azos, tudo isso é feito em menos de 5 minutos.


O prêmio (ou mensalidade) é dado de acordo com esses fatores e o valor da cobertura desejada. Se quer uma resposta numérica, é simples: faça uma simulação agora mesmo.


Vale lembrar que o seguro de vida também é indicado para jovens, pois todos estamos sujeitos a imprevistos, e o objetivo principal é dar suporte aos que amamos caso o titular morra. Se você está investindo na própria empresa, justamente para que sua família tenha um futuro mais próspero e tranquilo, é importante ter isso em mente.


Uma forma simples e direta para avaliar se você precisa do serviço é responder à seguinte questão: você tem pessoas que dependem diretamente da sua renda financeira? Se a resposta for sim, o seguro de vida é um aliado importante.


Já quem não tem dependentes financeiros, ou tem uma boa reserva de dinheiro para cobrir esse risco, pode ser mais interessante priorizar um seguro contra doenças graves ou invalidez.


O seguro de vida deve ser pensado para cobrir de 5 a 30 anos dos planos dos seus beneficiários. Uma vez contratado, os ajustes monetários costumam ser feitos anualmente para manter seu capital segurado pela inflação (IPCA), além da adequação para o risco da sua idade. Lembre-se: uma seguradora de confiança é muito transparente no contrato e informa essas alterações ao segurado com antecedência.

O uso e a possibilidade de cancelamento

O seguro de vida é um serviço que ninguém gostaria de usar. Mas caso algo cruze o seu caminho, é ele que pode garantir que os sonhos de quem você ama permaneçam protegidos na sua ausência. 


No caso de falecimento do segurado, é necessário que alguém acione a seguradora ou corretora responsáveis e comunique o sinistro. Depois disso, os beneficiários serão orientados das providências necessárias para que o pagamento da indenização seja realizado.


Um fato que pouca gente sabe, é que muitas famílias acabam deixando de acionar o seguro devido à sensibilidade causada pela morte e à própria falta de conhecimento de que o falecido possuía um seguro. Esse foi um dos motivos pelos quais nós da Azos criamos o serviço do Guardião.


Essa pessoa recebe todas as orientações — o que inclui um telefone de contato e um e-mail da Azos — para que a comunicação do sinistro seja fácil e rápida. 


O cancelamento pode ser realizado pelo segurado, mas as condições para a interrupção do seguro variam conforme a seguradora. Por isso, lembramos que você deve entender as regras referentes ao seguro antes de realizar a contratação.


Além disso, é importante se atentar ao fato de que algumas seguradoras optam por fazer o cancelamento de alguns contratos periodicamente. O objetivo é manter apenas aqueles perfis de titular com menor risco, o que significa mais lucro devido à baixa utilização do serviço.


A dica, então, é buscar uma seguradora transparente. Se quer um exemplo de como a Azos trabalha, tenha em mente que aqui o seguro só é cancelado em três situações: se você solicitar, se ficar mais de 90 dias sem pagar a mensalidade ou se esgotar os 30 anos de uso sem pedido de renovação. Da nossa parte, garantimos a continuidade da proteção.

Os tipos de seguro de vida

Se a dúvida do MEI é quanto de seguro de vida precisa, outro fator precisa ser considerado: o tipo de seguro. Na prática, o objetivo é encontrar a proteção que atende às necessidades específicas dos seus dependentes e da sua rotina de trabalho. Veja quais são as duas opções:


  • seguro de vida temporário — é o mais simples, com tempo determinado (geralmente, de 1 a 30 anos) e um valor de capital segurado a ser pago aos beneficiários em caso de morte do titular;
  • seguro de vida resgatável — modelo que cria uma reserva financeira (com taxa de rendimento) que pode ser resgatada após um determinado período de tempo.


De forma prática, indicamos o seguro de vida temporário como uma alternativa mais interessante para o MEI — que tem um orçamento mais apertado ou incerto. O valor do prêmio costuma ser mais acessível, é mais fácil de entender e garante a proteção que você precisa.


O seguro de vida resgatável, por sua vez, costuma ser mais complexo, exigindo alguns cálculos e tendo um período mínimo para o saque, que não é imediato. Em outras palavras, você pode pagar cerca de 15 vezes mais na mensalidade e ter que esperar pelo menos 10 anos para ter acesso ao valor de resgate.


Viu só como as coisas podem ser mais simples do que parecem? Para finalizarmos, então, confira duas dicas que dedicamos especialmente a quem atua como MEI.

O que todo MEI precisa saber sobre seguro de vida?

O primeiro ponto diz respeito à oferta dos chamados seguros de vida como investimento. A dica é ter cuidado, pois são produtos que costumam ser caros e oferecer um baixo capital segurado. Ou seja, o rendimento não é interessante e o prazo de resgate mínimo é muito longo.


Sabemos que quem atua como MEI leva muito a sério a ideia de investir, pois essa é uma atividade essencial para fazer a empresa crescer. Contudo, vale mais a pena contratar o seguro de vida para a finalidade de proteção e, simultaneamente, realizar investimentos em outros canais mais adequados (como tesouro direto, bolsa de valores e etc).


A segunda dica é simples: veja como o seguro se aplica na sua situação específica. Em outras palavras, faça uma simulação, veja como as condições se encaixam no seu orçamento e como o valor segurado pode trazer a tranquilidade que você e sua família precisam.


O seguro de vida é um aliado importante e pode ser o primeiro passo para você ter uma organização financeira ainda melhor. Então, se quer um processo ainda mais fácil e sem complicações, basta contar com o apoio de quem mais entende do assunto! Entre em contato com um especialista ou faça uma simulação e contrate um seguro de vida Azos!