A vontade de conquistar uma casa própria, um automóvel e o padrão de vida dos sonhos pode ser grande. Mas, uma vez conquistados, o receio de perder pode ser ainda maior.

Só que não precisa ser assim. Existem formas de proteger o patrimônio que você conquistou, e o seguro é uma delas. Com um bom seguro ao seu lado, o imprevisto não encontrará a porta da sua casa aberta.

Seu carro foi roubado? Acione o seguro. Houve um problema na fiação elétrica da sua casa? Acione o seguro. O armário da cozinha empenou do dia para noite? Acione o seguro. 

O seguro é um mecanismo confiável e eficiente para evitar que você saia no prejuízo. Em outros termos, ele ajuda a proteger seu patrimônio como poucos recursos o fazem.

O que é proteção patrimonial? 

A proteção patrimonial é um dispositivo ou um conjunto de dispositivos legais e financeiros que estão de prontidão caso algum imprevisto aconteça com você. Ou seja, ela funciona como prevenção contra qualquer prejuízo inesperado.

Quer dizer, a proteção patrimonial evita que você se endivide ou perca o que já possui através de indenizações. 

Esta reparação é referente aos acontecimentos cobertos por um seguro. Por exemplo: o furto de um carro, o incêndio de um imóvel ou, até mesmo, os altos custos de um processo de inventário.

Proteção e blindagem patrimonial são a mesma coisa?

Não, de forma alguma. 

A grande diferença está no fato de a proteção patrimonial ser uma forma de prevenção prevista pela lei. Ou seja, o patrimônio é protegido através de medidas que se encontram permitidas pelas leis do nosso país.

O seguro de pessoas é um bom exemplo de proteção patrimonial: é um serviço que visa proteger a vida financeira de quem o contrata em caso de morte, doenças ou invalidez. Além de ser controlado por um órgão do Governo Federal – a SUSEP –, ele também está previsto pelo Código Civil.   

Já a “blindagem patrimonial” é um termo utilizado para identificar atos que possuem o intuito de burlar as leis. Geralmente ocorre quando criminosos tentam impedir que seus bens sejam tomados pela justiça, transferindo-os para outras pessoas.

Como funciona a proteção patrimonial? 

A proteção patrimonial funciona, em geral, com base em serviços de seguros, e tem caráter preventivo. 

No entanto, ela também pode ser feita através de outras medidas básicas de gestão financeira, como por exemplo os investimentos, a poupança e, no caso de empresários, a separação entre os bens pessoais e o da empresa.

O importante é você não considerar que apenas adquirir imóveis vai trazer toda a proteção que você e sua família precisam, como nossos avós faziam no passado. 

Quais são os riscos de ter o patrimônio desprotegido? 

Os riscos podem ser variados, mas eles se resumem em: endividar-se de repente ou perder o que você já tem.

Isso pode ocorrer em uma segunda-feira qualquer, quando um acidente de carro causou a perda total do seu automóvel. Sem o seguro, você também ficou sem o automóvel. Logo, seu patrimônio foi parcialmente dilapidado.

Mas, com o seguro, o prejuízo não vai além do acidente, do susto e da situação chata. Já que, após acionar a Seguradora, você provavelmente terá acesso a um automóvel reserva até você escolher um carro novo para comprar com a indenização.

Porém, a proteção patrimonial vai para além de bens físicos: ela envolve também estilo de vida e defesa contra o endividamento.

Quer dizer, se no mesmo acidente de carro, você sofrer uma lesão grave em um dos braços, seguido de sequelas permanentes, ter um seguro por invalidez permanente total garante a você uma indenização.

Ou seja, você poderá se afastar do trabalho e focar na sua recuperação sem se preocupar em se endividar ou com cortes de gastos que mudem a forma de viver da sua família. Isso também é proteção patrimonial.

Questões fiscais e tributárias

A tributação pesada do sistema tributário brasileiro faz com que processos de sucessão e de transferência patrimonial saiam bem caros para os familiares e para o patrimônio adquirido e construído até ali.

Por isso, pessoas jurídicas investem nas chamadas “holdings patrimoniais”. Elas são empresas criadas com o objetivo de administrar o patrimônio de uma ou mais pessoas, tanto para preservá-lo, quanto para investir e gerar lucro a partir dele.

As holdings patrimoniais também têm a vantagem de evitar a alta tributação dos processos sucessórios, já que não pertencem diretamente à pessoa física falecida.

Disputas familiares, sucessórias e matrimoniais 

Se você é fã de Game of Thrones, vai saber que a disputa familiar entre os irmãos Lannister tem pouca coisa de ficção. Vira e mexe aparece algum caso de disputa de família por herança… A herança do Gugu foi pra quem mesmo?

Pois é. Uma das formas de proteger o seu patrimônio é contar com um bom advogado ou garantir condições para seus familiares contratarem um caso algo aconteça, principalmente se envolver um processo de sucessão patrimonial. Nunca se sabe o dia de amanhã.

No caso de desavença matrimonial, a maneira mais simples de proteger seu patrimônio é decidir (antes de se casar) o melhor regime de divisão de bens para você. Consulte um advogado para entender melhor sobre as opções que existem atualmente no Brasil.

Questões trabalhistas

Nas relações de trabalho, a proteção patrimonial pode ser feita a partir da própria tributação ou por medidas próprias: 

  • Exigir da empresa empregadora o pagamento do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço);
  • Contribuir com o INSS;
  • Contratar uma aposentadoria privada.

Como realizar a proteção patrimonial? 

A proteção patrimonial deve ser sempre preventiva. Afinal, não adianta chorar o leite derramado.

Contratar formas específicas de seguro, como o seguro contra incêndio para o seu imóvel, o seguro automóvel para o seu carro e os seguros invalidez e doenças graves para você, são excelentes maneiras de proteger seus bens.

Quando o assunto é família e matrimônio, a dica é escolher a melhor forma de divisão de bens ao casar. Já para garantir a segurança financeira de seus filhos, o testamento legal é uma forma de resguardá-los. Além disso, você pode também contratar um seguro de vida Azos.

Como investir para proteger o seu patrimônio?

É comum a palavra "investir" lembrar logo a bolsa de valores. Entretanto, investir é muito mais do que isso – e pode ser bem mais seguro do que se aventurar no mercado de ações.

Há algumas formas de investimento mais eficazes e com um excelente retorno. No lugar de manter aqueles R$ 50 mil reais mofando na poupança ou debaixo do colchão, você deveria experimentar colocá-los em um dos seguintes investimentos a seguir:

  • Tesouro Direito: garantido pelo Governo Federal, com liquidez diária e rentabilidade acima da inflação.
  • CDB: com garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), o CDB tem rentabilidade acima da inflação.
  • LCI e LCA: o LCI tem uma liquidez excelente e conta com a isenção do Imposto de Renda (IR), já o LCA é um investimento para curto prazo, no máximo 2 anos.

Comece protegendo o seu bem mais precioso: a sua vida! Saiba mais sobre os seguros Azos falando com um dos nossos especialistas agora.