Se tem uma coisa que muda ao longo de nossas vidas são os gastos. Quase sempre porque abandonamos alguns hábitos ou temos novas necessidades. Mas são as responsabilidades adquiridas na vida adulta que impactam mais as nossas finanças.

Se você pensou em filhos, acertou. Porém, tem duas coisinhas antes dos filhos, chamadas: vida adulta e vida a dois — não necessariamente matrimonial.

A vida independente e o matrimônio nos colocam em situação íntima com nossos queridos boletos. Um pouco ultrapassado, né? Mas essa é a realidade.

Se você já está no ponto de conferir o e-mail ou o correio atrás das contas do mês, com certeza vai precisar dessas recomendações sobre como organizar os seus gastos, despesas e economias.

Recomendações para organizar suas despesas 

Ninguém nasce aprendendo como organizar as finanças da casa e, cá entre nós, não é mesmo algo muito prazeroso de se fazer. Até porque, como dizem, o que os olhos não veem, o coração não sente. 

Para evitar que seu dinheiro desça pelo ralo, é importante encarar todos os seus gastos, inclusive aqueles com delivery de comida…

Destacamos, então, uma média geral de onde o seu dinheiro deveria ser gasto e onde deveria ser poupado. Em seguida, você encontrará também os gastos por estado civil. Veja só: 

Média geral de gastos conforme sua renda

  • Aluguel ou financiamento: 35%
  • Estilo de vida: 40%
  • Emergências/seguro: 2%
  • Lazer e bem-estar: 15%
  • Economias: 8%

Solteiro morando sozinho

  • Aluguel ou financiamento: 45%
  • Estilo de vida: 25%
  • Emergências/seguro: 6%
  • Lazer e bem-estar: 14%
  • Economias: 10%

Casado

  • Aluguel ou financiamento: 45%
  • Estilo de vida: 25%
  • Emergências/seguro: 6%
  • Lazer e bem-estar: 14%
  • Economias: 10%

Casado e com filhos

  • Aluguel ou financiamento: 37%
  • Estilo de vida: 30%
  • Emergências/seguro: 10%
  • Lazer e bem-estar: 15%
  • Economias: 8%

O seguro de vida faz parte das minhas finanças?

Se você tem dependentes financeiros ou pretende ter em breve, sim, o seguro de vida deve fazer parte das suas finanças. O motivo é simples: proteger o futuro de quem você ama. 

Se algum imprevisto acontecer com você, seus entes queridos (escolhidos por você como beneficiários) receberão uma indenização suficiente para manter o estilo de vida que vocês construíram juntos.

Saiba mais sobre como o seguro de vida é fundamental para seu bem-estar financeiro, fale com um especialista da Azos agora mesmo.

Como saber o valor da cobertura adequada para você

Nossos especialistas sugerem um valor de cobertura entre 10 e 15 vezes a sua renda anual. Esse valor costuma ser o suficiente para garantir que seus beneficiários não precisem mudar o estilo de vida deles por falta de proteção financeira.

Ao receber a indenização, eles devem ser capazes de bancar:

  • os gastos mensais da rotina;
  • financiamentos e empréstimos; 
  • faturas de cartão;
  • aluguel;
  • educação; 
  • documentação obituária e 
  • procedimentos funerários. 

Como você pode ver, se você tem alguém que dependa de você e da sua renda, esses são alguns gastos que ele terá que lidar por um tempo. Para te ajudar a decidir o valor da cobertura ideal, confira a calculadora que Azos preparou.